Futuro Selvagem – Parte 2

15 12 2009

100 milhões de anos: Vulcões expelindo gases de efeito estufa, eventualmente transformaram a Terra em uma sáuna – sufocante, húmida e quente.Florestas tropicais cobrem a Terra e a atmosfera é rica em dióxido de carbono e oxigênio. Os animais se adaptaram ao calor úmido. Os insetos ficaram enormes, insetos voadores têm envergadura de metro, e as maiores criaturas do mundo andam na terra. Mas a própria Terra está inquieta. Apesar de ter vulcões ativos por toda parte, agora, erupções enormes levam o planeta à beira do seu pior desastre de sempre. A maior parte da vida é aniquilada, deixando o mundo árido e vazio. Ou não?

O Grande Platô: Austrália viajou tanto ao norte, que colidiu com a Ásia e a América do Norte. A colisão da Austrália e da Ásia deu origem a uma cadeia de montanhas enormes, muito maior do que o Himalaia – 10.000 metros de altura. Há fortes chuvas nas montanhas, e uma pesada chuva sazonal no platô.

Great Blue Windrunner: Um novo grupo de aves evoluíram com sucesso nesta era. As pernas são adaptadas para ajudar no vôo, tornando assim, quatro asas. O exemplo mais espetacular é o Great Blue Windrunner, uma visão impressionante, com sua plumagem azul e uma envergadura de 2.5m.

Silver Spider: Grandes aranhas coloniais que constroem ninhos vastos como mantas, apoiada sobre a face da rochosa do planalto. Sementes carregadas pelo vento grudam nessas mantas. As aranhas mais jovens recolhem as sementes e levam-nas para as pilhas de sementes, guardadas em segurança no subsolo.

Poggle: Um dos últimos mamíferos, esse pequeno roedor é relativamente imóvel, e depende das sementes guardadas pelas Silver Spiders. A comunidade Poggle prospera nesse habitat escondido, o que é bom, já que as aranhas estão engordando eles para comer.

O Pântano de Bengala: Parte da África se separou do continente e se fundiu com a Ásia. Essas duas massas de terra criaram um vasto pântano onde, um dia, foi a Bahia de Bengala. A colisão das placas tectônicas criou uma grande cadeia de vulcões, que separa o pântano dos mares ao sul.

Swampus: O primeiro polvo a se aventurar na terra, se adaptou à vida na água e na praia, se tornando anfíbio. É um predador formidável, medindo 3 metros de comprimento, ele usa seus braços para agarrar sua presa, e uma mordida venenosa para mata-la.

Toraton: Os répteis se adaptaram bem, devido ao calor, e esse descendente da tartaruga não é diferente. O maior animal que já andou sobre a face da Terra. Eles têm 7 metros de altura e pesam 120 toneladas, essas criaturas gigantes passam o dia procurando comida, já que tem que consumir grandes quantidades de vegetação.

Lurkfish: As águas lamacentas se tornou lar para uma enorme quantidade de criaturas perigosas. Possivelmente a mais perigosa é o Lurkfish, esse sofisticado predador de 4 metros e comprimento é capaz de gerar uma carga elétrica de 1000 volts que paralisa até a maior das presas.

Floresta Antártica: A Antártica se deslocou ao norte, mas precisamente, aos trópicos. Agora, sem gelo, frio ou pingüins, esse continente se tornou uma vasta floresta tropical. Essa floresta evoluiu de quaisquer espécies de plantas conseguiram chegar no continente primeiro. Assim como os animais, que evoluíram de poucos ancestrais pois chegar ao continente virgem não foi nada fácil.

Roachcutter: Um grupo de pássaros descendentes das primeiras aves marítimas a colonizar o continente antártico. Elas evoluíram para se tornar a espécie de aves dominante da floresta. O Roachcutter caça grandes insetos e os mata com seus bico afiado e perigoso.

Spitfire Bird: Esse pássaro peculiar coleta químicos de uma certa árvore que quando misturado com sua saliva se transforma em um componente altamente corrosível. Quando ameaçado, ele cospe esse químico no predador pelas suas narinas. Eles tem uma plumagem alaranjada debaixo das asas para avisar aos seus predadores o potencial venenoso dele.

Falconfly: Um predador perigoso descendente das vespas. Eles podem chegar a 15 centímetros de comprimento e podem atacar um Spitfire Bird em pleno vôo. Seu primeiro par de pernas serve para agarra sua presa, o segundo par foi modificado para se assemelhar à espadas, que o Falconfly usa para matar suas presas.

Spitfire Beetle: Besouros coloridos que se agrupam para imitar flores de uma certa árvore para atrair o Spitfire Bird. Precisa de 4 Spitfire Beetles, com as asas abertas, para criar a ilusão de uma flor. Quando o pássaro se aproxima o suficiente, os besouros pulam nele com suas fortes pernas traseiras.

Os Mares Rasos: Grandes partes da Rússia e da América do Norte afundaram no mar. Esses mares são ricos em nutrientes e em luz do sol. Condições ideais para a formação de recifes, mas os corais estão extintos. Os recifes agoras são formados por algas vermelhas.

Ocean Phantom: É uma gigante criatura marítima que visita os recifes de tempos em tempos. Aproximadamente 10 metros de comprimento e 4 de largura, essa criatura na verdade é uma colônia de milhares de pequenas criaturas que formam esse gigante organismo.

Reef Glider: Descendentes das lesmas do mar, eles tem 4 metros de comprimento, e um formato de gota de água. Nadando usando uma série de nadadeiras, eles patrulham os mares rasos caçando os Ocean Phantoms. Eles têm ótima visão e conseguem sentir as mudanças químicas na água.

Spindletrooper: Criaturas que se assemelham à aranhas de um metro de comprimento. Elas vivem em câmaras especiais no Ocean Phantom. Em troca de ser alimentado pelo Ocean Phantom, o Spindletrooper o defende dos ataques do Reef Glider. Eles cortam o predador com um par de garras venenosas.

Parte 1Parte 3

By: Luca Lobo





Futuro Selvagem – Parte 1

11 12 2009

O “Futuro Selvagem” é um projeto que consiste em resumir, um documentário do Discovery Channel de mesmo nome. O documentário trata sobre a vida animal nos milhões de anos que seguem a nossa extinção. Mas lembrem-se! Isso é só especulação! Ninguém consegue prever o futuro, eu acho….

5 Milhões de Anos: A Terra está no meio da última idade do gelo atual. Os seres humanos estão extintos e grande parte da água doce do mundo está presa nas calotas de gelo enormes que chegam, no norte, até Paris, e no sul, até Buenos Aires. Nas bordas do gelo, os animais se adaptaram ao invernos frios e cruéis; nos trópicos, a floresta praticamente desapareceu, substituída por uma savana seca. No entanto, a mudança está no ar – um aumento súbito de erupções vulcânicas derrama gases de efeito estufa na atmosfera, o planeta começa a aquecer, e o gelo derretendo cria enormes, inundações devastadoras.

Deserto Americano: Frio e seco, esse deserto se tornou perigoso, com condições extremas. Constantemente sobre tempestade de areia e tornados, os animais aqui tiveram que se adaptar para sobreviver.

Spink: Spinks são aves coloniais que gastam praticamente toda a sua vida em tocas subterrâneas, um lugar muito mais agradável para se viver do que a superfície imperdoável. Eles se alimentam de raízes e da seiva rica em açúcar do nabo do deserto, é preciso um monte de Spinks para manter um sistema de túneis grande o suficiente para alcançar nabos do deserto o suficiente.

Rattleback: Esta é uma sub-espécie do rattleback sul-americano. Nesse deserto hostil, a propriedade de isolamento das escamas e o comportamento de se manter junto ao solo, o ajudaram a sobreviver. Cerdas que cobrem o rosto, mantém a areia longe dos olhos.

Deathgleaner: Deathgleaners são morcegos enormes, com uma envergadura de 1.3m que lhes permite planar sem esforço sobre o deserto por horas, em busca de carcaças. Eles também podem atacar os fracos filhotes de rattlebacks.

Bacia do Mediterrâneo: O movimento da África e da Europa fecharam o Mar Mediterrâneo. Isso, mais a escassa umidade do ar, secou quase todo o mar, deixando apenas alguns lagos salgados.

Gryken: Um descendente da marta, ele é um rápido, forte e acima de tudo, cauteloso predador. Ele usa a cobertura natural das fissuras no pavimento de pedra calcária (o grykes) como esconderijo para pegar de surpresa suas presas.

Cryptile: Cryptiles são cerca de 18 centímetros de comprimento e rosa pálido, coberto com cristais de sal que agem como camuflagem. Glândulas na pele segregam uma substância pegajosa para o babado. Quando o lagarto corre através de uma nuvem de moscas salmoura o folho age como papel de mosca, permitindo que o cryptile lamba as moscas a vontade, depois da corridinha.

Scrofa: O scrofa é descendente de suínos do mundo antigo, mas é muito pequeno para os padrões do porco, aproximadamente 8-12 cm de altura. Eles também são mais finos do que a maioria dos suínos dias atuais, e suas pernas são mais longas, tornando-os muito bem preparados para enfrentar as regiões rochosas nas bordas da bacia.

Savana Amazônica: Não chove mais, os rios diminuíram em tamanho, tudo está mais seco, e à queimadas recentes, com essas condições, que espécies se desenvolveram?

Carakiller: Na ausência de predadores de solo, este descendente dos caracarás evoluiu para um pássaro grande como um velociraptor. Com cerca de oito pés de altura, com um grande, bico adunco e garras afiadas que eles são predadores temíveis. Eles têm pernas longas e bem adaptadas às curtas rajadas de velocidade.

Babookari: Da enorme diversidade de macacos que viviam nas árvores, apenas alguns desses se adaptaram à vida na savana. Babookaris vivem em grupos e patrulham uma grande área em busca de alimento. Eles tecem cestas que deixam em riachos para capturar peixes.

Rattleback Sul-Americano: Estes carinhas são descendentes de uma grande roedor sul-americano. Eles têm grandes forelimbs muscular e garras como pás para poderem cavar. Escamas cobrem o rosto.

Geleira da Europa: O mundo está sobre uma nova era do gelo, temperaturas chegando a 60 graus Celsius negativos, a Inglaterra e a França foram ligadas pelo mar congelado, as vinhedas se foram a muito tempo…

Shagrat: Grupos de shagrats vão para as tundras todos os anos durante a primavera. São roedores do tamanho de ovelhas, e são descendentes das marmotas européias. Eles tem uma grossa camada de pelos, e poderosas patas para cavar raízes enterradas na neve e no solo congelado.

Snowstalker: Esse grande predador vaga por grandes distâncias pela geleira. Eles são, provavelmente, descendentes dos carcajus. Poderosos e assustadores, eles tem dentes-de-sabre para rasgar suas presas. Podem chegar a 4 pés de comprimento e 2 pés de altura.

Gannetwhale: Com as baleias extintas e as focas dizimadas, outros animais começaram a ocupar esses nichos. Uma nova espécie que conseguiu fazer isso é o gannetwhale. Se parecem com focas, mas são pássaros com grandes bicos. Com, mais ou menos, 14 pés de comprimento, ele é gorducho, mas, surpreendentemente um ótimo e ágil nadador.

Parte 2Parte 3

By: Luca Lobo