Review: Spectrobes

16 12 2009

Pegue um liquidificador, adicione um jogo do pokémon, depois, adicione uma colher de chá de animê, e mais uma de Disney e pronto, essa é a formula do jogo Spectrobes (pelo menos não termina com “mon”). Não muitas pessoas ouviram falar desse jogo, mas saibam que ele já está na sua terceira edição! A história é a seguinte, você é um policial interplanetário que descobre que seu sistema solar está ameaçado por criaturas chamadas “krawl” e o único jeito

Escavar é divertido!

de salvar o mundo é com a ajuda dos spectrobes, pequenas criaturinhas que depois viram grandes criaturinhas. A formula é batida, tão usada que perdeu a graça, mas Spectrobes conseguiu renova-la. Com a ajuda do stylus, você cava fósseis desses spectrobes, depois com o microfone, reviva-os, treine-os e entre em batalhas contra os krawls. Assim como pokémon, o fator replay aqui recebe nota alta, pois você não vai descansar até reviver todos os monstrinhos, achar todos os cubos (contém informações importantes), etc. A música é boa, empolgante, mas se torna repetitiva quando você passa muito tempo, por exemplo, explorando uma área. Outra coisa irritante sobre a música é que é realmente difícil enjoar dela já que tudo o que você fizer vai trocar a faixa musical. Exemplo, to na nave, musiquinha, saí da nave, outra musiquinha, abri o menu, mais uma musiquinha, cavei um fóssil, outra musiquinha, entrei numa batalha épica do bem contra o mal, e lá vem outra musiquinha. Entendeu o que eu quis dizer? Os gráficos poderiam ser melhores, mas não são tão ruins. Chato mesmo é controlar o personagem com os direcionais do DS (eu tenho problema com esses botões). Agora, o genial do jogo são os “Code Input Cards”, cards especiais que vem com o jogo para você destravar spectrobes, partes, mineras, e deuses. Funciona assim, cada card vem com buraquinhos e uma numeração, você coloca o card na tela touch screen do DS e usa o stylus para tocar a tela através dos buracos na ordem certa, e TCHAM TCHAM! Você ganhou um item novo! O jogo suporta modo on-line, mas está limitado apenas á baixar vídeos e um spectrobe exclusivo. O jogo tem um certo nível de costumização por parte dos spectrobes, já que você pode mudar a cor deles, e adicionar partes ao seu corpo. Partes são items especiais que mudam o status do seu spectrobe. Por exemplo, adicionar um escudo ou uma espada ao seu bichinho, sacou? O jogo é divertido? É, mas vai fazer mais fama ao público jovem (5-12 anos) mas vale a pena dar uma experimentada.

Gráficos: 7.0

Som: 8.0

Jogabilidade: 9.0

Diversão: 8.0

Replay: 10

Nota Final: 8.4

PS: Em rio que tem piranha, macaco não toma água….

By: Luca Lobo





Review: Lego Star Wars II (Nintendo DS)

17 11 2009

Uma fusão de Lego com a saga original de Star Wars só podia ser ótima né? Infelizmente não, o problema é que o resultado final é simplesmente…meh. O jogo tinha tudo pra ser bom, mas por alguma razão, não é.

Brincar com os bonequinhos é mais divertido.

Uma das coisas que salva é a música que é muito boa. Com efeitos de som “maneiros” e a trilha sonora original do filme (que é ótima). Os gráficos são bonitinhos, ao estilo Lego, o que, claro, deixa tudo mais light. O jogo contém vários destraváveis, o que vai prender sua atenção por um tempo, os mais divertidos sendo os extras, onde você pode deixar todo mundo com bigode, ou com chapéu, ou rosa, ou ao estilo anos 60. E a opção de criar e customizar seus próprios personagens foi uma grande jogada, mas infelizmente, foi a última, a partir daí o jogo fica péssimo (mesmo). A câmera falha (e como falha), você vai desejar poder muda-la de ângulo, mas não vai conseguir, o que torna muito difícil pular para plataformas, ou ver de onde está sendo atacado. Até existe um ícone com uma câmera no touch screen, mas não serve pra nada. O modo multiplayer é divertido no começo, mas depois começa a ficar extremamente maçante, o jogo mais legal para se fazer é competir com sua irmã pra ver quem SE mata mais em durante o round. Mas,o que realmente estraga o jogo, o maior dos problemas são os bugs, parece até que o jogo foi lançado sem ser terminado! Você vai se frustrar muito com seu personagem, metade do tempo ele vai sumir, ou a câmera vai travar, ou ele vai ficar parado no ar, etc. etc. e etc. Caramba! Como que o controle de qualidade da Nintendo deixou isso ser aprovado? Provavelmente, é um cego quem faz o controle (pffff).

O que faz me lembrar da fase dos Ewoks, @#$% fase chata do @5*&%^$! Nunca vi uma fase tão podre, sem brincadeira! Pular pelas plataformas (que se mechem) com aquela câmera é uma tortura! Mas, ei, no final das contas, quem não gosta de matar Troopers? E acredite, é a única coisa que vai te divertir durante uma fase. Colecionar aqueles minikits!? É horrível. Todos escondidinhos, com alguma pegadinha para você não poder alcança-lo, e pra quê? Abrir uma porta secreta. E se você acha que aquele minikit detector vai te ajudar em alguma coisa, está redondamente enganado meu amigo, aquilo é um inferno! Atrapalha mais do quê ajuda. Se você tem, entre 6-12 anos, vai se divertir, se não, não diga que eu não avisei.

Gráficos: 6

Som: 8.5

Jogabilidade: 4

Diversão: 4

Replay: 6

Nota final: 5,7

PS: Konbanwa Pedro-san, Do deçu ka. Oguenki deçu ka.

By: Luca Lobo