Ornitorrinco gigante com dentes é descoberto

5 11 2013

Uma espécie extinta de ornitorrinco gigante, com uma potente arcada dentária, foi identificada a partir de um dente fossilizado, anunciaram cientistas australianos e americanos no “Journal of Vertebrate Palaeontology”.

Ilustração oficial divulgada por pesquisadores mostra a espécie recém descoberta. No canto direito, na parte de cima, estão os dentes descobertos.

Ilustração oficial divulgada por pesquisadores mostra a espécie recém descoberta. No canto direito, na parte de cima, estão os dentes descobertos.

Com o mesmo bico de pato característico de seus parentes atuais, mas dotado de dentes, com uma pele grossa e patas que são ainda mais esquisitas que os de hoje, este ornitorrinco carnívoro, batizado Obdurodon tharalkooschild, viveu entre 5 e 15 milhões de anos. Os cientistas acreditam que ele media cerca de um metro, ou seja, o dobro do ornitorrinco atual.

Esta nova espécie foi identificada a partir de um único molar descoberto por Rebecca Pian, da Universidade Columbia de Nova York, no sítio de Riversleigh, no estado australiano de Queensland (nordeste). O Obdurodon tharalkooschild (fale isso 3 vezes rápido) viveu em uma época em que se pensava que os ornitorrincos eram menores e sem dentes, ou seja, exatamente ao contrário do que foi provado, explica Michael Archer, da Universidade de Nova Gales del Sul. “A nova espécie era um animal essencialmente aquático, como seu primo contemporâneo, e habitava nas imediações de pontos de água nas florestas que então cobriam a região”, acrescenta Suzanne Hand, também da Universidade de Nova Gales do Sul.

Ele se alimentava provavelmente de crustáceos e de pequenos vertebrados como rãs e tartarugas, cujos fósseis foram achado no mesmo lugar. Os ornitorrincos, que são ovíparos, só são encontrados agora no leste da Austrália.

Fonte: G1

By: Kappa Luca





Peixe-remo

3 06 2010

O Regalecus glesne, popularmente conhecido como peixe-remo ou regaleco, é um peixe da família Regalecidae, classe Actinopterygiim e habita as profundezas marinhas de 20 a 1.000 m de profundidade.

Mede aproximadamente 11m de comprimento e se alimenta de pequenos peixes. Seu principal predador é o tubarão, já os golfinhos não o machucam.

O sonho de todo pescador.. rsrs

O peixe-remo sempre foi um mistério para a ciência, por ser uma criatura tão estranha. Acreditava-se de que ele era uma espécie de monstro-marinho. Ele possui um tipo de “topete”vermelho em cima da cabeça.

Não se sabe ao certo quantos exemplares ainda existem. Apenas em 2001 foi filmado um espécime vivo dentro de água. Em fevereiro de 2010 pesquisadores da Universidade do Estado da Louisiana, nos Estados Unidos, conseguiam uma imagem inédita do intrigante peixe-remo navegando no fundo do oceano.

O filme foi feito no Golfo do México  por meio de uma máquina não tripulada, e os cientistas acreditam que essa é a primeira vez que se filma o animal em seu habitat natural. Em maio de 2010, foi encontrado na Suécia um peixe-remo de 3,65 metros. Foi a primeira vez que se encontrou um peixe-remo no país em 130 anos.

By:Otávio~





Maior coelho do mundo tem 150cm e 20kg

5 04 2010

Darius é considerado um coelho gigante comparado aos outros coelhos, nasceu há um ano na cidade de Worcester, na Inglaterra, e mede 150 centimetros, pesa 20kg e deve crescer ainda mais nos próximos seis meses.

Segundo a criadora Annette Edwards, Darius consome diariamente 12 cenouras, seis maçãs e dois repolhos.

A criadora está esperando que o animal ganhe um registro no livro dos recordes, o Guinness Book.

“Ele é muito educado e carinhoso. Darius sempre corre pela casa, mesmo com todo esse tamanho”, contou a criadora ao jornal “Mail on line”.

By:Otávio~





Cientista filmam “monstro do mar” em seu habitat natural pela primeira vez

8 02 2010

Pesquisadores da Universidade do Estado da Louisiana, nos Estados Unidos, conseguiam uma imagem inédita do intrigante peixe-remo navegando no fundo do oceano. O filme foi feito no Golfo do México por meio de uma máquina não tripulada, e os cientistas acreditam que essa é a primeira vez que se filma o animal em seu habitat natural.

Esse bixo é grande mesmo...

O peixe-remo (Regalecus glesne) é uma espécie rara que vive em águas profundas. Ele pode chegar a 17 metros de comprimento, e só costuma ser visto quando está morrendo e sobe à superfície. Seu “topete” e suas barbatanas incomuns sempre despertam a curiosidade de quem topa com um deles. Acredita-se que relatos antigos sobre serpentes gigantes no mar estão relacionados a esse peixe.

By: Luca Lobo





Salamandra Gigante é estudada por cientistas

4 02 2010

Andrias japonicus‘, uma espécie de salamandra enorme, que varia de 1,4m a 1,7m de comprimento , também conhecida por hanzaki ou salamandra-gigante-do-japão é considerada um ‘fóssil vivo’, pelo fato de seu esqueleto ser quase idêntico ao dos fósseis de 30 milhões de anos atrás.

Salamandra gigante possui esqueleto "preservado"

Ciclo da doença causada pelo fungo. Clique para ampliar.

Como se não bastasse ser uma salamandra quase com comprimento quase igual à minha altura, não ter tido praticamente nenhuma mudança em seu esqueleto durante um tempo de evolução de 30 milhões de anos, ela também apresenta resistência suprema à um fungo, o qual vem devastando outras espécies de anfíbios ao redor do mundo (Malditos! Anfíbios são tão legais…),

O fungo Batrachochytrium dendrobatidis é uma ameaça aos anfíbios pois causa desequilíbrio orgânico, que leva à falência cardíaca (e mais que obviamente, à morte, também…)

“É um ‘dinossauro’, isso é espantoso”, afirmou Claude Gascon, chefe dos programas científicos da entidade ambientalista Conservation International e também um dos líderes do grupo especialista em anfíbios da União Internacional para a Conservação da Natureza.

“Nós falamos de salamandras que geralmente cabem na palma da sua mão. Essa pode arrancar sua mão.”

A salamandra examinada por Gascon está segura, presa em um tanque no centro de visitação da cidade de Maniwa, a 800 km de Tóquio.

Além de ter 1,7 metro de comprimento, a salamandra gigante tem uma pele semelhante ao couro, uma cabeça grande e coberta de estruturas que provavelmente são sensíveis ao movimento e ajudariam a salamandra a capturar peixes. Essa semelhança com peixes e sua pele grossa pode deduzir que esta salamandra seja o parente mais próximo (ou ao menos mais semelhante) dos extintos peixes de escamas grossas.

by: Pedro A.





Tubarão branco encontrado com mordidas gigantes!

29 10 2009

Um tubarão branco de três metros de comprimento que foi encontrado com marcas de mordidas na costa do estado de Queensland, na Austrália, gerou preocupação em banhistas e pescadores (também, se esse bicho é a presa, imagine o predador…).shark

O ataque aconteceu próximo à ilha turística de North Stradbroke, a leste de Brisbane. Após a captura do tubarão de 3 metros, o secretário de Pesca do estado de Queensland,  Tim Mulherin, decidiu manter as redes de tubarão na região. Segundo o diretor da Sociedade de Preservação Marinha da Austrália, Darren Kindleysides, os dados recentes sobre o número de tubarões capturados mostraram que as redes são eficazes, mas há um custo enorme para as baleias, golfinhos e tartarugas (que são frequentemente capturados pelas redes). Para especialistas, as enormes marcas foram feitas provavelmente por um tubarão branco gigante, que poderia facilmente ter mais de 5 metros de comprimento, tomando como base o tamanho das mordidas, mas para mim, foi esse cara aqui:

creature 2





VY Canis Majoris (um deus ou um demônio?)

26 10 2009

VY Canis Majoris (VY CMa) é uma estrela vermelha hipergigante localizada na constelação de Canis Major. Entre 1800-2100 raios solares aprox. (2.505.600.000 de 2923200000 km de diâmetro), é a maior estrela conhecida e também uma das mais luminosas. Ela está localizado a cerca de 1,5 kiloparsecs (km 4,6 × 1016) ou cerca de 4.900 anos-luz da Terra. Ao contrário da maioria das estrelas hipergigantes, que ocorrem em ambos os sistemas estelares binários ou múltiplos, VY CMa é uma única estrela. É classificada como uma variável semi-regular e tem um período estimado de 2.000 dias.

O primeiro registro conhecido de VY Canis Majoris é no catálogo de estrelas de Jérôme Lalande, em 7 de março de 1801. O catálogo listado VY CMa como uma estrela de magnitude 7. Novos estudos sobre a sua magnitude aparente durante o século 19 revelou que a estrela vem diminuindo desde 1850.
Desde 1847, VY CMa tem sido conhecido para ser uma estrela vermelha. Durante o século 19, observadores mediram pelo menos seis componentes discretos para VY CMa, sugerindo a possibilidade de que ele é uma estrela múltipla. Estes componentes discretos são conhecidos como áreas brilhantes na nebulosa circundante. Observações visuais em 1957 e imagem de alta resolução em 1998 mostrou que a VY CMa não tem uma estrela companheira.
VY CMa é uma estrela de alta luminosidade M com uma temperatura efetiva de cerca de 3.000 K, colocando-a no canto superior direito do diagrama de Hertzsprung-Russell e sugerindo que ele é uma estrela evoluída. Durante a seqüência principal, que teria sido uma estrela O com uma massa de cerca de 30 a 40 massas solares.

Medindo a Distância
Distâncias Estrelares podem ser calculadas medindo a paralaxe como a Terra orbita em torno do Sol. No entanto, VY

o_O

CMa tem uma paralaxe minúscula com uma alta margem de erro, o que torna pouco confiável para calcular a distância usando esse método.

Em 1976, Charles J. Lada e Mark J. Reid publicou a descoberta de uma brilhante nuvem molecular de aros de 15 minutos de arco a leste de VY CMa. Na ponta da nuvem de fronteira com o aro brilhante, uma queda abrupta das emissões de CO e um aumento no brilho da emissão 12CO foram observados, indicando a possível destruição de material molecular e aquecimento reforço para a nuvem na interface de borda, respectivamente. Lada e Reid assumiram a distância da nuvem molecular é aproximadamente igual ao das estrelas, que são membros do aglomerado aberto NGC 2362, que ionizam o aro. NGC 2362 tem uma distância de 1,5 ± 0,5 kiloparsecs determinado a partir de sua cor diagrama de magnitude.
VY CMa é projetada na ponta da borda, sugerindo sua associação com a nuvem molecular. Além disso, a velocidade da nuvem molecular é muito parecida com a velocidade da estrela. Isto indica ainda a associação da estrela com a nuvem molecular e, conseqüentemente, com a NGC 2362, o que significa VY CMa também está a uma distância de 1,5 KPC.

Tamanho
VY Canis Majoris é a maior estrela conhecida.

C*****!!!

A professora Roberta M. Humphreys da Univarsidade de Minnesota estima que o raio de VY CMa a 1.800 à 2.100 raios solares. Para ilustrar, se o Sol fosse substituído pela VY Canis Majoris, o raio pode estender para além da órbita de Saturno (cerca de 9 AU ). Supondo que o limite de tamanho superior a 2100 raios solares, a luz levaria mais de 8 horas de viagem em torno da circunferência da estrela, comparado a 14,5 segundos para o sol. Levaria mais de 7.000.000.000.000.000 (7 × 1015 ou 7 quatrilhões) Terras para preencher o volume de VY Canis Majoris.

Se a Terra fosse representada por uma esfera de um centímetro de diâmetro, o Sol estaria representado por uma esfera com um diâmetro de 109 centímetros, a uma distância de 117 metros. Nessas escalas, VY Canis Majoris teria um diâmetro de aproximadamente 2,3 km, assumindo que a estimativa de limite de seu raio.
Luminosidade
Em 2006, Humphreys usou a distribuição espectral da energia e da distância de VY CMa para calcular a sua

A estrela libera uma enorme quantidade de gás durante sua combustão

luminosidade. Como a maior parte da radiação proveniente da estrela é reprocessado pela poeira em torno da nuvem, ela integrou os fluxos total sobre a nebulosa inteira e mostrou que VY CMa tem uma luminosidade de 4,3 × 105 na escala de Luminosidade Solar.

Controvérsia

Existem duas opiniões diferentes sobre as propriedades de VY CMa. Em uma, a estrela é uma grande e luminosa hipergigante vermelha. Em outras opiniões (como Massey, Levesque e o estudo de Plez), a estrela é uma supergigante vermelha normal, com um raio de cerca de 600 raios solares. Neste caso, sua superfície se estenderia bem além da órbita de Marte em relação ao nosso sistema solar.

Tal como o seu tamanho, a luminosidade de VY CMa é também o tema de dúvida. A professora Humphreys contesta que a fotometria visual não é o suficiente para as estrelas com poeira estrelar suficiente para reprocessar os fluxos visual e vermelho para o infravermelho termal.

By: Luca Lobo





Pescador pega arraia gigante no mar da Irlanda

7 10 2009

Holandês pescou arraia de mais de cem quilos no mar da Irlanda. O Homem precisou de ajuda de outros três para tirar bicho da água. Animal foi devolvido ao mar para não correr risco de morrer. Infelizmente não pôde provar o que seria um recorde no Reino Unido, segundo reportagem publicada nesta quarta-feira (7) pelo jornal britânico “The Sun”.

Arraia Gigante

A arraia media mais de 1 metro e 80 centímetros. Isso daria uma boa pranca de surf orgânica...

O animal, que pesaria cerca de 113 quilos, passaria da marca atual – a arraia mais pesada encontrada em águas britânicas tinha 102 quilos, segundo o “The Sun”.





Senhor dos Anéis ao Extremo

7 10 2009

Descoberto anel de proporções colossais em Saturno.

Não, a notícia não tem nada haver com Senhor dos Anéis, e sim com Saturno, onde foi descoberto um novo anel, gigantesco, mas gigantesco mesmo. Acredito que você ainda não sacou o quão gigante ele é… deve estar pensando que tem no máximo o dobro do tamanho do maior até então, né? Bom, veja a imagem:

Sim, ele é desse tamanho. cabe alguns milhões de Terra aí.

Sim, ele é desse tamanho. Cabem um bilhão de alinhadas Terras aí.

Cientistas da Nasa fizeram essas descoberta recentemente. O anel gigante em torno de Saturno possui um diâmetro tão enorme que caberiam alinhados 1 bilhão de planetas do tamanho da Terra.

Sua parte mais densa fica a cerca de 6 milhões de quilômetros de Saturno e se estende por outros 12 milhões de quilômetros, o que o torna o maior anel de Saturno. A altura do halo é 20 vezes maior que o diâmetro do planeta.

“Trata-se de um anel superdimensionado”, definiu a astrônoma Anne Verbiscer, da Universidade da Virgínia em Charlottesville e uma das autoras de um artigo sobre a descoberta, publicado na revista científica Nature.

“Se ele fosse visível a partir da Terra, veríamos o anel com a largura de duas luas cheias, com Saturno no meio”, comparou a cientista.

Phoebe, lua de Saturno

Phoebe, lua de Saturno

Foi necessário uma câmera de infravermelho a bordo do telescópio espacial Spitzer para fazer uma “leitura” de uma parte do espaço dentro da órbita de Phoebe, uma das luas de Saturno.

Segundo a astrônoma, o anel é praticamente invisível por telescópios que utilizam luz, já que é formado por uma fina camada de gelo e por partículas de poeira bastante difusas.

“As partículas estão tão distantes umas das outras que mesmo se você ficasse em pé em cima do anel, não o veria”, disse Verbiscer.

Os cientistas acreditam que a lua Phoebe é que contribuiu com o material para a formação do anel gigante, ao ser atingida por cometas.

A órbita do anel está a 27 graus de inclinação do eixo do principal e mais visível anel de Saturno.

Os cientistas acreditam que a descoberta do anel poderá ajudar a desvendar um dos maiores mistérios da astronomia – a lua Iapetus, também de Saturno.

A lua foi descoberta pelo astrônomo Giovanni Cassini em 1671, que percebeu que ela tinha um lado claro e outro bastante escuro, como o conhecido símbolo yin-yang.

Segundo a equipe de Verbiscer, o anel gira na mesma direção de Phoebe e na direção oposta a Iapetus e às outras luas e anéis de Saturno.

Com isso, o material do anel colide constantemente com a misteriosa lua, “como uma mosca contra uma janela”.

Fonte: Inovação Tecnológica





Galinha morre após botar ovo gigante nos EUA.

30 09 2009

Uma das galinhas do avicultor norte-americano Chris Schauerman morreu algumas horas após botar um ovo gigante de 138 gramas.
Ovo gigante
Schauerman disse que não acreditou ao ver o ovo colocado pela galinha chamada “Roberta”. Ele ainda destacou que a ave morreu algumas horas depois de botá-lo.

Ele contou ainda que pretende come-lo mas antes, irá que vai emprestar o ovo para um amigo professor, que quer mostrá-lo para seus alunos.