Água encontrada em asteroide indica possíveis exoplanetas habitáveis

14 10 2013

Impressão artística do asteroide, rico em água, sendo destroçado pela gravidade da anã branca GD 61. O asteroide era um pedaço de um planeta já extinto, com pelo menos 90 quilômetros de diâmetro, que orbitava a estrela há 200 milhões de anos.

Astrônomos anunciaram a descoberta da primeira evidência de água em um corpo celeste rochoso vindo de fora do Sistema Solar. Através dos destroços de um asteroide que orbitava uma estrela anã branca, a GD 61. A presença de água nos vestígios de um asteroide flagrado pelo telescópio Hubble, da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana), sugere que outros sistemas planetários abriguem diversos planetas com atmosfera similar à da Terra. Essa é a primeira vez que tanto água quanto uma superfície rochosa – dois aspectos considerados fundamentais para a existência de planetas habitáveis e, portanto, vida – foram encontrados juntos além do nosso sistema solar.

Continue lendo »





Cientistas descobrem planeta composto por principalmente por água

24 02 2012

Imagem divulgada pela Nasa mostra o planeta orbitando uma estrela vermelha a 40 anos-luz da Terra.

Um grupo de astrônomos descobriu a existência de um novo tipo de planeta, composto em sua maior parte de água e com uma leve atmosfera de vapor. A informação foi divulgada nesta terça-feira (21) pelo Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian (em Cambridge, nordeste dos Estados Unidos) e pela Nasa.

Trata-se de um planeta fora de nosso sistema solar denominado “GJ1214b”, descoberto em 2009 graças ao telescópio espacial Hubble da Nasa. Segundo estudos recentes de um grupo de astrônomos, ele tem “uma enorme fração de sua massa” composta de água.

Continue lendo »





NASA Libera Nova Foto do Telescópio Hubble

10 09 2009
Foto da Planetary Nebula NGC 6302, também conhecida como Butterfly Nebula ou Bug Nebula

Foto da Planetary Nebula NGC 6302, também conhecida como Butterfly Nebula ou Bug Nebula





Como ver a ISS e o Telescópio Hubble a olho nú.

30 08 2009

Aqui vou fazer um guiazinho para quem gosta de observar o céu…

Você já viu a ISS (Estação Espacial Internacional) ou o telescópio Hubble à olho nú? Se não, vocÊ vai aprender nesse guia. Ver estas duas criações do homem que orbitam a Terra são coisas muito fáceis, mais do que você imagina. E suas passagens são coisas nem um pouco raras também! É possível vê-las quase todo dia à olho nú, pois estão em órbita da Terra.

Primeiro, entre neste site.

Este site é um site próprio para isso, ele te ajudará a localizar não só a ISS e HST (Hubble), como também outros satélites articiais, estrelas, cometas e até planetas.

Logo depois de entrar no site, defina sua localização. Para isso, clique em select from map (indicado na imagem abaixo)

Clique na imagem para aumentar.

Clique na imagem para aumentar.

Defina sua loocalização com a maior precisão possível, e depois disso apenas escolha o fuso horário (Time zone), e se quiser escolha um nome para sua localização, e depois salve. Se você preferir, pode também criar um usuário (Create new user account) e salvar estas informações para uso em qualquer computador. (Não acho que seja realmente nescessário, mas se você for um homem de vários computadores deve ser útil…)

Agora, escolha uma passagem. Em “Satellites” (abaixo de configuration) você terá uma lista de satélites a escolher. ISS, é a estação espacial internacional, e HST é o Telescópio Hubble.

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Interpretando a tabela:

Date: a data que o satélite selecionado passará.

Mag: Magnitute. Quanto menor melhor. Se for menor que 3, será possível ver a olho nú. Se for inferior a 0, chamará bastante atenção (Entre 0 e 3 é visível, mas é bem possível que se confunda com uma estrela qualquer no céu).

Starts: o Time é a hora que a passagem irá começar. Alt é a altitude, inclinação que estará no céu (0° é a linha do horizonte, e 90° é o ponto mais alto visível no céu). Az. é em que direção será possível ver a passagem ( se você verá a sul, norte, leste, oeste, nordeste, noroeste, sudeste ou sudoeste da localização que você entrou no site.

Max. altitude: informa a mesma coisa que Starts, só que quando o satélite estará no seu ponto culminante (mais visivel)

Ends: a hora, inclinação e direção que a passagem irá terminar.

Para obter ainda mais precisão sobre a passagem, clique sobre a data dela.Você poderá acessar um mapa celeste com a tragetória do satélite, uma tabela com informações mais precisas, e recentemente foi incluso no site uma visão do “Ground Track” (no topo da página), que nada mais é do que um mapinha de onde exatamente o satélite selecionado passará por cima.

Uma dica final: é bom  ajustar seu relógio com o site. Assim não há possibilidades de você errar horário. Para isso, vá em “Home” clique “What time is it ?” em Micellaneous (Lá em baixo). Ajuste seu relógio com o “Local”.

Bom, acho que é isso! Espero que consigam ver a ISS ou o Hubble. Qualquer dúvida, entre em contato pelo e-mail do blog (phobosedeimos09@gmail.com) ou pelos comentários do post.

ISS