Ihh.. Sumiu mais um planeta!

28 02 2012

Você sabe como fazer um planeta sumir? Fazer com que ele trombe com outro bem maior é um jeito. Meio bruto e complicado, mas pode ser. Mas tem um jeito mais fácil. Qual? Procurar direito.

Em 2008 foi anunciado que o telescópio espacial Hubble observou Formalhaut –uma estrela a apenas 25 anos-luz de distância da Terra que possui um disco circunstelar. Esse disco, que consiste de restos da formação da estrela, poderia ser na verdade um disco protoplanetário, ou seja, um disco de gás e poeira que viria a formar planetas no futuro.

Tudo começou em 2004. Como Formalhaut está pertinho, estruturas mais fracas ao seu redor poderiam ser reveladas com uma técnica simples de ocultar a estrela e seu forte brilho. Com isso, o disco foi observado e uma análise cuidadosa mostrou uma pequena mancha brilhante bem suspeita. Seria um planeta? Em 2006 a observação foi repetida de maneira idêntica e… bingo! A manchinha brilhante se mexeu como se esperaria de um planeta! A notícia correu o mundo, afinal, era um planeta detectado diretamente. A imensa maioria dos exoplanetas são descobertos de maneira indireta, seja por “mini eclipses” nas estrelas hospedeiras, seja pelo “bamboleio” gravitacional promovido durante a mudança de posição em suas órbitas. Esse exoplaneta foi batizado de Formalhaut b.

Continue lendo »





Senhor dos Anéis ao Extremo

7 10 2009

Descoberto anel de proporções colossais em Saturno.

Não, a notícia não tem nada haver com Senhor dos Anéis, e sim com Saturno, onde foi descoberto um novo anel, gigantesco, mas gigantesco mesmo. Acredito que você ainda não sacou o quão gigante ele é… deve estar pensando que tem no máximo o dobro do tamanho do maior até então, né? Bom, veja a imagem:

Sim, ele é desse tamanho. cabe alguns milhões de Terra aí.

Sim, ele é desse tamanho. Cabem um bilhão de alinhadas Terras aí.

Cientistas da Nasa fizeram essas descoberta recentemente. O anel gigante em torno de Saturno possui um diâmetro tão enorme que caberiam alinhados 1 bilhão de planetas do tamanho da Terra.

Sua parte mais densa fica a cerca de 6 milhões de quilômetros de Saturno e se estende por outros 12 milhões de quilômetros, o que o torna o maior anel de Saturno. A altura do halo é 20 vezes maior que o diâmetro do planeta.

“Trata-se de um anel superdimensionado”, definiu a astrônoma Anne Verbiscer, da Universidade da Virgínia em Charlottesville e uma das autoras de um artigo sobre a descoberta, publicado na revista científica Nature.

“Se ele fosse visível a partir da Terra, veríamos o anel com a largura de duas luas cheias, com Saturno no meio”, comparou a cientista.

Phoebe, lua de Saturno

Phoebe, lua de Saturno

Foi necessário uma câmera de infravermelho a bordo do telescópio espacial Spitzer para fazer uma “leitura” de uma parte do espaço dentro da órbita de Phoebe, uma das luas de Saturno.

Segundo a astrônoma, o anel é praticamente invisível por telescópios que utilizam luz, já que é formado por uma fina camada de gelo e por partículas de poeira bastante difusas.

“As partículas estão tão distantes umas das outras que mesmo se você ficasse em pé em cima do anel, não o veria”, disse Verbiscer.

Os cientistas acreditam que a lua Phoebe é que contribuiu com o material para a formação do anel gigante, ao ser atingida por cometas.

A órbita do anel está a 27 graus de inclinação do eixo do principal e mais visível anel de Saturno.

Os cientistas acreditam que a descoberta do anel poderá ajudar a desvendar um dos maiores mistérios da astronomia – a lua Iapetus, também de Saturno.

A lua foi descoberta pelo astrônomo Giovanni Cassini em 1671, que percebeu que ela tinha um lado claro e outro bastante escuro, como o conhecido símbolo yin-yang.

Segundo a equipe de Verbiscer, o anel gira na mesma direção de Phoebe e na direção oposta a Iapetus e às outras luas e anéis de Saturno.

Com isso, o material do anel colide constantemente com a misteriosa lua, “como uma mosca contra uma janela”.

Fonte: Inovação Tecnológica