Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – # 58

31 03 2010

By: Luca Lobo





Novo Heavy Metal será em 3D

21 03 2010

Segundo o Hollywood Reporter, David Fincher (Se7en, Zodíaco) está circulando estúdios atrás de financiamento e distribuição para o novo longa-metragem animado inspirado na revista cult de fantasia e ficção científica Heavy Metal. O projeto já roda Hollywood há algum tempo, mas uma versão de maior apelo comercial teria sido desenvolvida para aumentar as chances do filme acontecer. Uma das principais novidades é que o filme será totalmente em 3-D. Até o momento estão confirmados na direção dos segmentos animados apenas James Cameron (Avatar) e Zack Snyder (Watchmen, 300), além, claro, de Fincher. Gore Verbinski (série Piratas do Caribe, O Chamado) e Mark Osborne (Kung Fu Panda) integravam a antologia animada, mas seu retorno é incerto. A idéia original do filme era preservar o conteúdo erótico e violento da revista lançada nos EUA em 1977 e nascida na França pelas mãos de Moëbius em 1974 sob o nome Métal Hurlant. Essa nova versão, mais comercial, possivelmente minimizará isso. O Tenacious D já escreveu uma música para o filme.

Pra quem não sabe:

Heavy Metal é uma revista em quadrinhos para adultos, que usa temas como a ficção científica e fantasia para fundo das suas histórias. No meio da década de 70, o editor Leonard Mogel estava em Paris para lançar a edição Francesa da revista National Lampoon, ele descobriu a revista Francesa de ciência-fantasia Métal Hurlant que tinha sido lançada em Dezembro de1974. A tradução do título literalmente é “metal rangente”.

Eu recomendo!

Em 1981, um filme de animação foi adaptado das séries apresentadas na revista. Criando um rombo de US$9,300,000, Heavy Metal apresentando seguimentos animados de diversas empresas de animação, sendo que cada uma delas fez um segmento. Enquanto um dela fazia a sequencia que amarrou todas as diferentes histórias juntas. Como a revista, o filme apresentou um grande número de nudismo e violência gráfica, acabando com logo de pornografico. Por exemplo, seu segmento Den, ele não mostrou as espalhafatosas genitália do seu personagem impresso. O filme lançou talentos como John Candy, Eugene Levy, Harold Ramis e Ivan Reitman em Hollywood. Ele teve um razoável retorno no lançamento em cinema e mais tarde adquiriu o status de cult, parcialmente por causa um problema com os direitos da música que resultou uma demora de muitos anos para o filme se tornar disponível em vídeo.

Outro filme de animação alternativamente chamado de Heavy Metal 2000 , como orçamento de $15,000,000, foi liberado em 2000 diretamente para o vídeo não era baseado nas histórias da revista, mas em vez disso no The Melting Pot, uma graphic novel escrita por Kevin Eastman e desenhada por Simon Bisley, que se baseou a aparência da protagonista na modelo pornográfica e em atrizes de filmes B, Julie Strain, a esposa de Kevin Eastman. Strain mais tarde usou seus talentos vocais no filme, caracterizando o personagem que lhe era similar. Também foi lançado um video game, Heavy Metal: F.A.K.K.².

– Recomendo assistir!

By: Luca Lobo





Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – # 56

19 03 2010

By: Luca Lobo





Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – # 55

17 03 2010

By: Luca Lobo





Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – # 54

16 03 2010

By: Luca Lobo





Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – # 53

13 03 2010

By: Luca Lobo





Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – # 52

12 03 2010

By: Luca Lobo





Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – # 51

11 03 2010

Aí vai o RPNR nº Quinhentos e setenta e quatro mil duzentos e doze, digo, 51:

by: Pedro A.





Review: Guitar Hero 5

10 03 2010

Wii

O trilhonésimo Guitar Hero incrementou o ruim, e piorou o bom.

História

O Deus do Rock e o Capeta decidem fazer um pacto para juntar suas forças e criar mais uma banda perfeita, e é a sua banda….acabou. Sério, só isso! Sem aquelas cutscenes legais depois de cada fase mostrando o progresso da sua banda, mostrando o grande caminho a trilhar para ser uma estrela do rock. E diferente do 3 e do Aerosmith, você não deve mais tocar uma certa quantidade de músicas para passar de palco, toque duas músicas e você já destrava um novo palco. Claro, existe uma quantidade maior de palcos, também, são 85 músicas, mas não fique tão alegre, não é uma grande seleção como os dos antigos Guitar Heros, na verdade, chega a ser desapontante. Claro, temos grandes músicas e estrelas do rock como Kurt Cobain e Carlos Santana (ambos jogáveis), Rolling Stones, Bob Dylan, Queen, etc. Mas o resto…E vai lá saber Deus por que, foi incluindo músicas como Play That Funky Music e Rings of Fire (não me leve a mal, gosto de Country, mas não combina com Guitar Hero né?).

Kurt parece MENOS drogado na vida real...

O modo história falha um pouco por não ser…completo, mas ainda é divertido. Principalmente se você jogar com seus amigos (mas aí você é um riquinho com grana suficiente pra comprar toda uma banda).  Mas uma bela parte da diversão do modo história ou “carreira” é criar e customizar sua própria banda, muito chique!

Gráficos

Com certeza melhores que o do 3. Melhores que qualquer um (até agora) na verdade, mas não chega a ser aquela coisa linda, perfeita e maravilhosa, mas melhorou. As texturas, as luzes, os cenários os roqueiros, tudo parece bem mais real. E é nisso que o jogo falha, antes tínhamos aqueles SUPER palcos cheio de detalhes e robôs gigantes e fogos de artifícios, e etc. Agora, é só um palco comum (tudo bem, talvez nem tanto) mas perdeu muita parte da graça. Outra coisa ruim, o realismo, os roqueiros, apesar de parecerem gente, não agem como, é tudo muito falso, e é claro, ainda existem bugs, muito menos, mas ainda existem: como por exemplo, a mão do guitarrista atravessa a guitarra na hora de tocar, estúpido! Sim, não temos mais aqueles bugs horríveis como os de jogos anteriores, mas a Harmonix não parece estar muito afim de conserte-los, afinal, o jogo é pra tocar, e não pra ser bonito…né?

Nota: 7,5

Música/Som

As músicas e tal saem sem chiado, sem nada, e são boas (algumas). Todos os efeitos sonoros são bem bacanas, e são bem gravados, incluindo as vozes dos roadies no “Roadie Battle” (já falo sobre isso). Mas o jogo falha mesmo é na

Thank you Toronto!!!

seleção musical, um vexame, das 85 músicas, umas 20 são boas. Mas existe o GH Studio para criar e compartilhar suas próprias músicas e agora, você pode baixar e transferir músicas, assim, aumenta a sua coleção. O lado ruim disso? De todas as milhões de músicas disponíveis para baixar, apenas algumas são indispensáveis.

Nota: 6,0

Jogabilidade

Grande avanço, agora você pode não só jogar com a guitarra, agora também tem o baixo a bateria e o microfone. Fato interessante: a guitarra do GH3 não funciona no GH5, mas o microfone do High School Musical (o jogo é da minha irmã) funciona perfeitamente, hmm, bizarro…O saco é que agora  você não pode jogar apenas com o controle, pois ele faz parte do instrumento microfone e não tem nenhuma opção de mudar essa configuração, sério, deviam pensar nisso. Os controles funcionam bem, mas as vezes o Wii não consegue ler muito bem, o que atrapalha, muito…Mas nada revolucionário.

Nota: 8,5

Diversão

O jogo é muito divertido, assim como todos os outros Guitar Heros, existem milhões de coisas diferentes para você testar, Carreira; multyplayer; party play; treinamento; o Mii Freestyle, onde você joga com seus Miis, e cria sua

MEU DEUS!!! que cara feio!!!

própria música, aqui, é compatível o DS onde o jogador pode controlar, luz, camêra, efeitos especiais, etc. Depois, você salva a música e manda para seus amigos. No Roadie Battle, você deve juntar uma (ou duas) guitarras mais um (ou dois) DS, esse modo é muito divertido, pois você deve ajudar seu parceiro guitarrista a ganhar a batalha, e ao mesmo tempo atrapalhar o adversário, mas para isso deve realizar certas tarefas…Ou seja, GH5 é a fórmula da diversão garantida.

Nota: 10

Replay

O jogo tem muita coisa pra fazer, personagens, roupas e acessórios para destravar, músicas para zerar, estrelinhas para ganhar, essas coisas, isso mais o fator diversão é igual a fator replay alto. Acredite, esse jogo vicia (o que explica a redução de posts meus).

Nota: 10

Conclusão

Alugue o jogo, ou pense bem antes de comprar, a não ser que você seja um fã excêntrico muito louco de Guitar Hero, esse jogo deve ser estudado com cuidado antes de comprar, ou não…Afinal, ele é divertido não é? É, realmente…putz, q coisa difícil, deixe a nota final resolver esse problema. Mas a Harmonix podia melhorar na próxima.

Nota Final: 8,4

Veja o comercial com Hugh Henfer e as coelhinhas da Playboy:

E a edição especial do diretor:

PS: Porcaria de faixas pretas, vocês estragaram aquelas garotas…. Mas me salvaram do gordão.

By: Luca Lobo





Rock para não Roqueiros – Convertendo o Mundo – #50

10 03 2010

UAU! Edição 50, hehe, Rock nunca é demais…

By: Luca Lobo