Outro terremoto atinge o Haiti

20 01 2010

Um tremor de magnitude 6,1 atingiu o Haiti nesta quarta-feira (20), segundo o Centro de Pesquisas Geológicas dos EUA. Segundo a agência de notícias Reuters, houve pânico entre os haitianos acampados em barracas nas ruas. O abalo ocorre oito dias depois que um tremor de magnitude 7 devastou o país, matando ao menos 75 mil pessoas, ferindo 250 mil e deixando um milhão de desabrigados, destruindo a capital, Porto Príncipe. O tremor ocorreu às 6h03 locais (9h03) de Brasília, segundo a agência americana. O epicentro está a 60 km a oeste-noroeste da capital, Porto Príncipe, e a 42 km da cidade de Jacmel, e a uma profundidade de 9,9 km. Não houve alerta de tsunami. Ainda não há relatos de novas vítimas.

É 2012 chegando....

De Porto Príncipe, o jornalista Fabiano Andrade, da rádio CBN, informou que o novo tremor foi “leve, mas suficiente para assustar os militares brasileiros”. Segundo ele, na base militar brasileira o tremor não provocou estragos, mas as consequências no resto do país ainda eram desconhecidas. Prédios na capital que já haviam sido abalados pelo tremor do dia 12 desabaram, segundo a agência de notícias Efe. Na cidade de Petionville, próximo à capital, jornalistas da France Press disseram que o novo tremor foi sentido durante 10 segundos. Temendo novos abalos, milhares de pessoas têm dormido nas ruas de Porto Príncipe desde a tragédia.

O foco do terremoto desta quarta-feira (20) no Haiti fica na longitude 72,88° oeste e latitude 18,43° norte. O da semana passada, 72,45° oeste e 18,45° norte. O hipocentro – o ponto de ruptura inicial, também chamado de foco – do tremor de hoje fica a 9 quilômetros de profundidade (epicentro é a projeção do hipocentro na superfície). O hipocentro do terremoto do dia 12 foi a 10 quilômetros de profundidade. Isso significa que a falha geológica que causou o tremor ainda está na fase de reacomodação, após o rompimento da semana passada.

“É uma réplica maior, e veremos réplicas mais ou menos intensas durante semanas ou meses”, explicou o sismólogo João Willy Correia Rosa, da Universidade de Brasília (UnB). “Ainda está havendo liberação de esforço na falha, e pode ser no mesmo ponto ou depois.” A crosta da Terra é constituída por cerca de uma dúzia de grandes placas tectônicas (ou litosféricas), delimitadas por grandes falhas e profundas fossas oceânicas. O movimento da camada mais externa da Terra, mesmo que sejam só poucos centímetros por ano, produz tensões que vão se acumulando em vários pontos. Os terremotos são efeitos desse processo geológico de acúmulo lento e liberação rápida de tensões entre as placas, quando as rochas atingem o limite de resistência e ocorre uma ruptura . O tamanho da área de ruptura, grande ou pequeno, determina se o evento será um mero abalo ou um terremoto de grandes proporções.

magnitude do tremor desta quarta-feira, 6,1, é bem menor que os 7 da semana passada. Para entender: afim de comparar os tamanhos relativos dos terremotos, o sismólogo americano Charles F. Richter, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), formulou em 1935 uma progressão logarítmica com base na amplitude dos registros das ondas superficiais de choque captadas pelas estações sismológicas: cada ponto corresponde a 10 vezes a amplitude das vibrações do ponto anterior e a 30 vezes a energia liberada. Assim, as intensidades percebidas pela população hoje foram mais moderadas. A Agência de Pesquisas Geológicas dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) informou que a cidade de Petit Goave, com 15 mil habitantes, foi o local com a maior percepção de tremor (“severo”, ou grau 8 na escala Mercalli). Os 5 mil moradores de Grand Goave sentiram tremor “muito forte” (grau 7 na Mercalli). Para que se tenha uma ideia, o terremoto do dia 12 expôs 137 mil pessoas a efeitos “extremos” (grau 10 a 12 na escala). No nível 10 a maioria das construções é destruída até suas fundações, ocorrem danos sérios a barragens e diques e acontecem grandes escorregamentos de terra; na 11, tubulações são completamente destruídas; na 12, níveis topográficos são alterados e objetos são atirados ao ar.

By: Luca Lobo





Liberada as Chaves da 1ª fase da Copa do Mundo 2010

4 12 2009

Sim, eu sei que esportes, muito menos futebol, nunca foram o alvo do PeD. Mas sei lá, quando se trata de copa do mundo eu até acho ligeiramente interessante, aliás, torneios internacionais são muito mais civilizados do que esses escrotos times do Brasil (Isso não significa que eu torça para o Brasil na copa lol). Bom, aí vai:

Como esse maldito tema do wordpress não deixa aparecer a imagem inteira, eu a diminui. Clique para aumentar.

Tem mais umas informação bem leckais pra quem gosta do assunto aqui.

E a propósito…

VAI ARGENTINA!!!!!!! (BRINKS)

Mas agora sério…

VAI ITÁLIA!!! RUMO AO PENTA!!





A Segunda Melhor Piada do Mundo

25 09 2009

No post sobre a melhor piada do mundo, esqueci de mencionar a segunda colocada, a piada é a seguinte:
Sherlock Holmes e Dr. Watson vão acampar. Após um bom jantar e uma garrafa de vinho, eles vão dormir
Algumas horas depois, Holmes acorda e cutuca seu fiel amigo. “Watson, olhe para o céu e me diga o que você vê.”

“Vejo milhões e milhões de estrelas, Holmes”, responde Watson.

“E o que você deduz disso?”

Watson pondera por um minuto. “Bem,

Astronomicamente, isso me diz que existem milhões de galáxias e potencialmente bilhões de planetas.

Por quê a galinha atravessou a rua?

Por quê a galinha atravessou a rua?

Astrologicamente, observo que Saturno está em Leão.

Em questão de horas, deduzo que  é de aproximadamente um quarto após três.

Meteorologicamente, eu suspeito que teremos um lindo dia amanhã.

Teologicamente, posso ver que Deus é todo poderoso, e que nós somos uma parte pequena e insignificante do universo.
Mas o que dizer, Holmes?

Holmes está em silêncio por um momento.

“Watson, seu idiota!”, Diz ele. “Alguém roubou nossa barraca!”





A melhor piada do mundo

24 09 2009

À algum tempo, o pesquisador Richard Wiseman e a Associação Britânica para o Avanço da Ciência começaram uma pesquisa com o intuito de encontrar a piada mais engraçada do mundo, em seu blog, Wiseman recebeu mais de 40.000 piadas e 1,5 milhões de votos. Afinal, concluiu sua pesquisa e a grande vencedora foi:

“Dois caçadores estão na floresta quando um deles desmaia. Ele não parece estar respirando e seus olhos estão vidrados. O outro homem pega o telefone e liga para os serviços de emergência. Ele diz chorando”, Meu amigo está morto! O que posso fazer?”. O operador diz “Acalme-se. Eu posso ajudar. Primeiro vamos ter certeza que ele está morto.” Há um silêncio, em seguida, um tiro é ouvido. De volta ao telefone, o homem diz “OK, e agora?”

Essa piada foi enviada por Gurpal Gosall, um psiquiatra de 31 anos de Manchester no Reino Unido. Ele disse à Wiseman:

“Gosto da piada porque faz as pessoas se sentirem melhor, porque ele lembra que há sempre alguém lá fora que está fazendo alguma coisa mais estúpida do que eles.”

Mas, a minha favorita ainda é essa:
Quando a Nasa começou a enviar astronautas, logo descobriu que canetas normais não iriam funcionar em gravidade zero. Para combater o problema, os cientistas da NASA gastaram uma década e US $ 1 bilhão para desenvolver uma caneta que escreve em gravidade zero, de cabeça para baixo, debaixo d’água, em praticamente qualquer superfície, incluindo vidro e à temperaturas que variam desde abaixo de zero a 300 ° C.

Os russos usaram um lápis.





40 Anos de Internet: O Dia em que o Destino dos Nerds Mudou.

2 09 2009
O computador usado por Berners-Lee para criar o primeiro servidor web do mundo: internet só se popularizou em meados de 1990

O computador usado por Berners-Lee para criar o primeiro servidor web do mundo: internet só se popularizou em meados de 1990

Se Vanusa tivesse errado o Hino Nacional, em 2 de setembro de 1969, por maior que fosse a solenidade, poucos, além dos presentes, saberiam. Talvez o fato nem chegasse aos jornais.

Naquela época não existia vídeos no YouTube. As buscas eram feitas em bibliotecas e os protestos não se estendiam a países separados por oceanos. A internet começava a surgir, mas era apenas um experimento tímido, reservado a poucos.

Há exatos quarenta anos, não mais do que vinte pessoas se reuniram em um laboratório de Kleinrock, na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, a fim de assistir dois computadores passando dados volumosos por meio de um cabo cinzento de cinco metros. Para muitos, era o nascimento da internet: um teste da uma rede militar Arpanet, motivado pela Guerra Fria.

A consolidação de uma rede de computadores ocorreu poucas semanas depois, em 29 de outubro, quando pesquisadores fizeram o servidor da universidade transmitir dados para outro servidor localizado 630 quilômetros ao norte, no Instituto de Pesquisa de Stanford.

As múltiplas redes só começaram a surgir anos adiante, na década de 1970, com a chegada dos protocolos TCP/IP. Os e-mails vieram logo em seguida, antes da virada para 1980. Na década seguinte, apesar de já existirem os sufixos padronizados “.com” e “.org”, quase ninguém usava a ferramenta de comunicação e poucos sabiam o significado da palavra “internet”.

O cenário só começou a mudar em 1989, com a chegada do WWW (World Wide Web), uma plataforma interativa criada por Tim Berners-Lee a partir da junção do hipertexto com a prática dos protocolos TCP e DNS. Dali em diante, a internet se tornou algo popular, sendo, enfim, chamada pelo próprio nome.

Ninguém imaginaria, porém, que, em menos de vinte anos, o número de pessoas conectadas chegaria a 1,5 bilhão. Neste meio tempo, seres humanos viraram “internautas” ou “usuários”, que passam cada vez mais horas em frente aos computadores, muitas vezes calados, mas emitindo e recebendo informações como nunca.

Além de notícias, da interatividade e da comunicação em tempo real, os internautas encontraram uma nova forma de entretenimento e de cultura. Para a revolta da indústria, o modo de consumir música e cinema mudou com a chegada do Napster e de muitos indexadores de BitTorrent, dos quais ainda sobrevivem Mininova e The Pirate Bay, entre outros.

“O grande dilema da internet nos próximos anos é se ficará como um espaço de liberdade, presente nos ideais de seus criadores desde o começo, ou se retrocederá a um espaço controlado”, diz Marcelo Branco, coordenador do projeto Software Livre Brasil e diretor do Campus Party.

As empresas de hoje, segundo Branco, precisam se readaptar ao modelo libertário da internet. “Não só as empresas de tecnologia, mas todas têm o grande desafio de abertura. No mundo da internet, os valores mudaram. Elas precisam se abrir se quiserem aproveitar o espaço, como é o caso do Google, por exemplo”, explica Marcelo Branco

O mundo parece viver uma época de transição e, como aconteceu nas décadas de 60, 70, 80 e 90, ninguém sabe prever o que mais a internet poderá trazer nos próximos anos. Se virão mais revoluções, interferências e invasões maliciosas, somente ela, a própria internet, poderá nos dizer. Uma coisa é quase certa: o spam continuará a existir.

Leia também:

Fonte: Info Plantão.




O Estranho Mundo entra no PeD

31 08 2009
Clique para ampliar...

Clique para ampliar...

Para quem não sabe ainda, o Estranho Mundo de Luca é um Blog de tirinhas, principal parceiro do Phobos e Deimos. Clique aqui para visitar.