Curiosidades sobre Vênus

19 02 2010

– Vênus realiza uma volta em torno de seu próprio eixo num período maior que o necessário para completar uma volta em torno do Sol. Pense bem acerca dessa afirmação: isso significa que um dia em Vênus é maior que um ano.

O Melhor planeta para se pegar um bronze…

– A rotação de Vênus se dá no sentido oposto à maioria dos outros planetas. Assim, em Vênus o Sol surge do Oeste e se põe no Leste.

– Porém, a velocidade de rotação é muito lenta. Do nascer ao pôr-do-sol são quase 116 dias terrestres. Por outro lado, enquanto a nossa atmosfera leva cerca de 24 horas para dar a volta no planeta, acompanhando a rotação, em Vênus bastam 4 dias terrestres, contra os 243 de sua rotação completa. É a super-rotação da atmosfera, provocando ventos de altíssima velocidade.

– Vênus reflete 2/3 da luz que recebe do Sol, um esplendor que lhe valeu o apelido deestrela-d’Alva. Povos antigos imaginavam tratar-se de dois astros: Lúcifer, a estrela da manhã, e Vésper, a estrela da tarde. Em latim, Lúcifer significa “o que leva a luz” e apenas na tradução cristã ele é associado ao mal. Mas afinal Lúcifer talvez fosse um nome mais apropriado para o planeta Vênus, um mundo mais próximo de uma visão do inferno que da personificação do amor.

– A densa atmosfera de Vênus contribui para uma luminosidade escassa na superfície (como um dia nublado na Terra). Mas a densidade não é homogênea e produz refrações múltiplas, originando várias imagens de um mesmo objeto: do solo de Vênus é possível ver dois ou três sóis.

– A superfície de Vênus foi inteiramente mapeada por radar, revelando duas regiões que poderiam ser chamadas de continentes, pois estão acima do nível médio do terreno. Numa região chamada Terra de Ishtar (que significa Vênus para Assírios e Babilônios) ficam os Montes Maxwell, com 11.000 m, e na Terra de Afrodite, maior que o continente africano, há imensos cânions com até 280 km de largura.

– É provável que tenham existido oceanos em Vênus num passado remoto. A fúria de um Sol ainda jovem fez evaporar esses mares e expôs as rochas então submersas, liberando dióxido de carbono e dando início a um contínuo processo de aquecimento. Toda a água da superfície acabou desaparecendo.

– Vênus não possui placas tectônicas, apenas uma crosta sólida e maciça, isso exerce uma grande pressão sobre o manto de magma derretido, que quando escapa, gera uma explosão absurda.

 

 

 

Concepção artística da suposta lua de Vênus, Neith

 

– Em 1672, Giovanni Cassini observou um objeto que ele acreditou ser uma lua de Vênus, mas não relatou essa observação. Em 1686 ele viu novamente esse objeto e o apresentou como a tal lua. O objeto nunca teve a existência comprovada, mas muitas observações já foram feitas, inclusive quando foi observado um pequeno pontinho seguindo Vênus em sua travessia na frente do Sol (que pode ser observada daqui da Terra). Existem várias teorias para explicar esse objeto como um planetóide, um meteoro ou até uma ilusão de ótica causada por uma estrela qualquer, mas ninguém tem certeza.

By: Luca Lobo





WHAT’S UP!

26 09 2009

Saiba o que acontece no céu da sua cidade!

Eu, hoje, estava explorando o ótimo site do APOLO 11, uma ferramenta que nunca tinha reparado: o WHAT’S UP!

Ele se trata de uma ferramenta que lhe informa quais planetas e satélites estão visíveis da sua cidade e suas coordenadas. Também lhe informa o quarto da Lua e sua porcentagem de iluminação, e informações sobre o nascente e poente do Sol. É uma ferramenta bem parecida com o Heavens Above, site que já havia citado anteriormente, porém mais simples e totalmente em português!

Para acessá-la, clique aqui.

WHAT'S UP! - A ferramenta virtual que lhe permite saber estão visíveis no céu da sua cidade!

WHAT'S UP! - A ferramenta virtual que lhe permite saber estão visíveis no céu da sua cidade!





Como seria a vida em cada planeta do Sistema Solar?

27 08 2009

Como deveriam ser os Extraterrestres para sobreviver em cada um dos planetas do Sistema Solar? Veja este exelente artigo retirado da revista Super Interessante Nº234. O artigo é meio velho, de 2006, mas é muito interessante mesmo, ainda mais pois contém ilustrações ótimas! Confira o artigo:

Mercúrio

Para resistir ao calor e frio extremos – de noite, faz um frio muito grande, de cerca de 90 Kelvin no planetinha – o nosso mercuriano teria de se esconder nas crateras dos pólos. O problema é que, sem poder aproveitar a luz solar e com uma atmosfera muito rarefeita para respirar, ele teria pouquíssima energia a seu dispor. Por isso, seria um organismo pequeno e simples, provavelmente um ser unicelular, feito de moléculas formadas de silício – substância muito comum na areia que cobre o solo do planeta.

Vênus

Nesse planeta, a temperatura média é de 480 graus Celsius. Por isso, o venusiano seria uma espécie de tatu que passaria a maior parte do tempo enterrado para se proteger do calor. Como a água só poderia ser obtida no subsolo, ele precisaria de garras para cavar e para se prender às rochas e não ser levado pelos ventos fortes que sopram por lá. As células desse bicho seriam construídas com nutrientes retirados do solo. Devido à grande concentração de enxofre, o ET federia como um ovo podre.

Marte

Para resistir à temperatura média de 60 graus negativos, o marciano teria escamas protetoras. Em suas veias correria álcool, que congela a uma temperatura mais baixa que a água. Para completar, uma membrana protegeria seus olhos das tempestades de areia. Como em Marte há gás carbônico na atmosfera e água no subsolo, o planeta poderia sustentar plantas. E o bicho seria herbívoro. Por fim, suas longas pernas o ajudariam a saltar – um meio eficiente de se locomover na baixa gravidade.

Saturno

A temperatura média de 180 graus negativos e os ventos inclementes assolam esse planeta. Imaginamos dois saturnianos: um grupo viveria nos pólos, onde os ventos são mais brandos. Suas grandes asas funcionariam como velas para propulsão e captadores de energia solar. O outro viveria no equador, onde há mais energia – e muito vento. As asas seriam menores. Sem a superfície necessária para captar energia, eles precisariam da ajuda de bactérias para fazer as reações químicas e obter energia.

mercuriano-venusiano-marciano-saturniano-superinteressante

Júpiter

Para poder voar, seu corpo teria a forma de medusa e seria oco. Os ventos entrariam pela abertura da parte inferior e inflariam o “balão”. Os imensos poros funcionariam como bocas por onde o jupiteriano absorveria os gases nutritivos da atmosfera, que seriam então distribuídos pelo organismo por meio de uma rede de canais. Para controlar a velocidade, ele contrairia o corpo como um fole. O movimento espremeria os canais internos, que devolveriam gases tóxicos ao ambiente.

Urano

Como há pouca energia, só organismos simples, como fungos, sobreviveriam. Esse planeta gira com os pólos voltados para o Sol. E a cada 80 anos, essas regiões mergulham em um inverno escuro por 20 anos. Os uranianos teriam de aproveitar os ventos para se mudar dos pólos para o equador e vice-versa, atrás do sol. Os ETs absorveriam moléculas orgânicas da atmosfera pela pele porosa. A luz provocaria reações que transformariam essas moléculas em outras, gerando calor.

Netuno

A quase 5 bilhões de quilômetros do Sol, pouquíssima energia chega até ali. Os netunianos poderiam ser fungos semelhantes aos de Urano. Devido ao frio, de até 150 graus negativos, protegeriam as células com uma substância anticongelante. Sacudidos pelos ventos, soltariam esporos (células reprodutoras) que se espalhariam em todas as direções. Germinariam nas camadas mais densas das nuvens, nutridos pelo material orgânico que há ali. Pelas hastes ocas, o ET absorveria nutrientes.

Plutão

A temperatura de 200 graus negativos não oferece nenhum atrativo para a vida. Mas e estas estruturas cristalinas? Talvez sejam vírus congelados. O astrônomo Fred Hoyle acha que o núcleo dos cometas é carregado desses microorganismos. Como Plutão tem tudo para ser um cometa adormecido, poderia haver uma colônia por lá. Essa criatura não come, não respira nem produz nada. É só um código genético dentro de uma proteína, esperando uma célula para invadir e se replicar.

jupiteriano-neptuniano-uraniano-plutoniano-superinteressante1

Fonte: Revista Super Interessante Nº234 Dezembro 2006